16 de novembro de 2022

Novo sistema do Bolsa Atleta facilitou o processo de inscrição, mostra pesquisa

O lançamento de um sistema totalmente virtual para inscrição no Programa Bolsa Atleta fez com que esse processo se tornasse mais ágil, intuitivo e amigável. A avaliação é retratada pela pesquisa de satisfação feita pela Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento (SNEAR) do Ministério da Cidadania junto a atletas contemplados pelos editais de 2021 e 2022.


Entre os 3.486 participantes do levantamento, 69,4% são atletas olímpicos e 30,6%, paralímpicos. A maior parte (66,8%) é de bolsistas da categoria Nacional. A pesquisa apresentou perguntas em que os atletas poderiam atribuir notas de 1 a 5 para avaliar os benefícios trazidos pelo novo sistema.

O envio de documentos digitalizados, por exemplo, recebeu nota máxima de 84,3% dos participantes como um mecanismo essencial e que facilitou o processo de inscrição. Já 70,3% deram nota 5 para o novo sistema do Bolsa Atleta.

Para os atletas que participaram do levantamento, o procedimento de inscrição e de acompanhamento do pleito ficou mais ágil a partir da nova plataforma. A pesquisa de satisfação também mostrou que os atletas aprovaram o layout do novo sistema e avaliaram o procedimento como mais intuitivo e de fácil entendimento.

“A novidade para os atletas do edital de 2021 foi a prestação de contas online. No ano passado, eles já fizeram a inscrição pelo sistema novo, mas enviaram a prestação de contas ainda em papel. Em 2022, todo o procedimento já é feito de maneira virtual”, explica o secretário nacional de Alto Rendimento, Thiago Froes.

A pesquisa também perguntou sobre o processo de prestação de contas e, nesse caso, teve a participação de 2.719 atletas. Do total, 78% já realizaram prestação de contas online, sendo que 81,6% deles deram a melhor avaliação possível para o envio de documentos digitalizados como recurso facilitador do processo.

A digitalização da gestão do Bolsa Atleta foi uma novidade implementada desde o ano passado pela Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania. Agora, os candidatos não precisam mais enviar documentos pelos Correios. Em um ambiente seguro e totalmente virtual, os atletas realizam as inscrições, enviam declarações de clube e de patrocinadores, preenchem o plano esportivo, acompanham o andamento da análise e assinam o termo de adesão.

Números do programa

Em 2022, foram contemplados 100% dos atletas que se candidataram ao Programa Bolsa Atleta e que preencheram todos os requisitos. O total foi de 6.773 beneficiados, incluindo a categoria Pódio, num impacto de R$ 120,2 milhões. Nesse total, são 4.970 atletas olímpicos e 1.803 paralímpicos.

Na divisão por gênero, há 3.775 homens e 2.998 mulheres. São 292 integrantes da categoria de Base, 241 na Estudantil, 4.792 na Nacional, 847 na Internacional, 244 na Olímpica/Paralímpica e 357 na Pódio.

Os repasses mensais da Bolsa Atleta variam entre R$ 370 e R$ 3.100, de acordo com a categoria. Na Pódio, a principal do programa, voltada a atletas posicionados entre os 20 melhores do ranking mundial de suas modalidades e com maior potencial de destaque em competições internacionais, os valores vão de R$ 5 mil a R$ 15 mil, de acordo com os resultados apresentados.

Relevância comprovada

A abrangência e relevância do Bolsa Atleta pode ser medida pelos resultados nas principais competições. Nos Jogos de Tóquio, por exemplo, 80% dos integrantes da delegação olímpica e 95% da paralímpica eram bolsistas.

Nos Jogos Olímpicos, o país conquistou 21 medalhas (sete ouros, seis pratas e oito bronzes), em 13 modalidades. O resultado significou a 12ª colocação no quadro de medalhas. Em 19 dos 21 pódios (90,45%), os atletas recebiam a Bolsa Atleta. As exceções foram o futebol masculino, que não integra o programa, e a prata de Rayssa Machado, no skate.

A “Fadinha” só não fazia parte do programa porque ainda não tinha a idade mínima determinada pela legislação: 14 anos. Ela passou a figurar na lista da Bolsa Pódio em fevereiro de 2022.

Nas Paralimpíadas, foram 72 medalhas (22 ouros, 20 pratas e 30 bronzes) conquistadas, o que rendeu a sétima posição no quadro de medalhas ao Brasil. Os bolsistas representaram 68 dos 72 pódios conquistados: 94,4% do total.

Fonte: Assessoria de Comunicação - Ministério da Cidadania

Mais visitadas