31 de agosto de 2021

Prefeitura de Luís Correia compra R$ 438 mil em livros de ensino religioso em período de aulas remotas

    De acordo com informações contidas no portal da transparência do município, a prefeitura de Luís Correia, por meio da Secretaria Municipal de Educação, comprou R$ 438 mil somente em livros de ensino religioso durante o período de aulas remotas, quando se constata um alto número de alunos da rede municipal de ensino que não consegue assistir as aulas transmitidas via internet, por falta de condições financeiras para a compra de equipamento necessário. Fato esse que causou indignação em boa parte das lideranças políticas que possuem experiência frente a administração pública.

Imagem meramente ilustrativa

    O primeiro valor está descrito no contrato de número 0099/2021, assinado e publicado em 07/07/2021, no valor de R$ 350, 901,00 mil referente ao fornecimento de livros didáticos de ensino religioso para atender as necessidades da Secretaria de Educação de Luís Correia. Sendo este substituído pelo contrato de número 0113/2021 e assinado em 17/08/2021, valor alterado para o montante de R$ 438.626,25, quase meio milhão de reais, para compra exclusiva de livros da citada disciplina escolar, no prazo vigente entre 17/08/2021 à 31/12/2021.

Contrato de número 0099/2021. 
Contrato de número 0113/2021 - R$ 438.626,25 mil na compra de livros de ensino religioso

    Ter um gasto de quase meio milhão de reais somente em livros de uma só disciplina durante período de aulas remotas foi um fato bastante questionado e duramente criticado por parte daqueles que entendem de gestão pública municipal. Segundo eles, a gestão Maninha Fontenele deveria utilizar todo esse dinheiro na compra de tablets para suprir a necessidade do relevante números de alunos que não possuem condições financeiras para adquirir um equipamento voltado ao acesso as aulas virtuais, e por isso observa-se o altíssimo índice de ausência dos mesmos nas aulas remotas.

    A doação dos tablets ao público alunado seria uma estratégia acertada, pois daria condições ao aluno está presente nas salas virtuais, assistindo as aulas de todas as disciplinas escolares, ao mesmo tempo que teria condições de pesquisar qualquer conteúdo e ainda desfrutar das apostilas e livros didáticos digitalizados e distribuídos de forma gratuita, facilmente encontrados para baixar da internet, em substituição a todos aos livros físicos comprados pela prefeitura, onde não adianta o aluno ter o livro e não ter condições de assistir as aulas remotas por falta do equipamento necessário. 

Outro lado:

    O secretário de educação, Mateus Amaral, informou que o primeiro contrato foi calculado em cima da quantidade de alunos matriculados no primeiro semestre na rede municipal de ensino. Todavia houve um aumento na quantidade de matrículas para o segundo semestre, necessitando a compra de mais livros de ensino religioso para atender a nova demanda, tendo por consequência o aumento financeiro do valor contratual. 

Roderico Júnior, do Portal Luís Correia.

Mais visitadas