30 de outubro de 2020

Municípios devem ficar atentos à meta de vacinação contra poliomielite

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite segue até 30 de outubro no Brasil, mas apenas 35% do público-alvo foi vacinado. Nos Municípios, a meta é alcançar 95% das crianças na faixa estipulada para imunização contra a paralisia infantil, que vai de 1 ano a menores de 5 anos. No país, o público-alvo é estimado em 11,2 milhões de crianças, sendo que ainda falta imunizar 7,3 milhões delas.




De acordo com o Ministério da Saúde, até o momento, 232 Municípios registraram a meta. No entanto, os dados são apenas preliminares, uma vez que os Entes locais têm até o fim de novembro para registrar as doses aplicadas no sistema de informações da pasta federal. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) alerta as gestões municipais sobre a meta de vacinação e os prazos.

Com o tema Movimento Vacina Brasil. É mais proteção para todos, as ações contra a poliomielite ocorrem simultaneamente à campanha de multivacinação, que oferta todas as vacinas do calendário nacional de vacinação e visa atualizar a situação vacinal de crianças e adolescentes com menos de 15 anos. A maior cobertura vacinal entre as crianças de 1 a menores de 5 anos foi registrada no Amapá (62,59%), seguido do Estado da Paraíba (50,11%).

Entre o público-alvo da vacinação, a maior cobertura, por ora, foi registrada entre as crianças de 2 anos de idade (35,33%) e a menor cobertura foi entre as crianças de 3 anos (34,23%). A recomendação para os locais que não alcançarem a meta é continuar com a vacinação de rotina, oferecida durante todo o ano nos mais de 40 mil postos de saúde do país.

Não existe tratamento para a poliomielite e a única forma de prevenção é a vacinação. A vacina oral de poliomielite (VOP) protege contra dois sorotipos do poliovírus (1 e 3) e a vacina inativada (VIP), contra os três sorotipos (1, 2 e 3). Segundo o ministério, a vacina é extremamente segura e possui eficácia entre 90% e 95% para a VOP. Para crianças com infecções agudas, febre acima de 38ºC ou hipersensibilidade a algum componente da vacina, o Ministério da Saúde recomenda aos pais que busquem um serviço de saúde para avaliação.

Fonte: Agência CNM de Notícias, com informações do Ministério da Saúde.
Foto: Divulgação/Governo do Paraná.

Mais acessadas