25 de novembro de 2019

Plano Safra 2019-2020 já registra aumento de desembolsos em relação à safra anterior


O Plano Safra 2019-2020 já registrou um aumento de desembolsos nos primeiros meses de execução. Entre julho e outubro, o crédito rural apresentou um crescimento de 4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Novo trator do produtor rural José Luiz Fianchi | Foto: produtor rural
Nesses quatro meses (julho a outubro), foram contabilizados, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, R$ 77,35 bilhões em contratações junto a instituições financeiras. Parte dos recursos foram para custeio da produção, como compra de sementes, adubos e fertilizantes, além de investimento na compra de máquinas e equipamentos. 

O secretário de Política Agrícola substituto do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wilson Vaz de Araújo, disse que nos últimos sete anos, nunca se investiu tanto nos 4 primeiros meses do Plano Safra 2019-2020.  

“Quando o indivíduo, o produtor rural, investe no seu negócio, é sinal que ele está confiante que o ambiente está bom pra ele investir ... isso é um indicador que ele está acreditando na atividade dele, o mercado do produto dele, seja interno ou externo, também está bom”, explicou o secretário substituto.

Foi justamente para dinamizar a produção que o produtor agrícola de Jataí (GO), José Luiz Fianchi, financiou um novo trator junto ao Banco do Brasil. O equipamento será utilizado na propriedade de 1100 hectares, que produz soja e milho.

A produção familiar é de 70 sacas de soja por hectare e de 130 sacas de milho por hectare. Cada saca tem 60 quilos e preços diferenciados. A de soja é comercializada por R$ 73 e a de milho por R$ 34 reais, sendo que 50% do rendimento cobre os custos da produção e a outra metade fica para a família de José Luiz, que comercializa a produção a partir da Cooperativa Comigo.

O agricultor familiar esclareceu que o financiamento junto ao Banco do Brasil para a aquisição do novo trator, de R$ 500 mil, foi amortizado com o trator antigo utilizado na lavoura, orçado pelo banco em R$ 180 mil: “Eu dei um equipamento meu de entrada, como entrada, e financiei o restante, no valor de R$ 320 mil ... os juros estão um pouco mais acessíveis, juros de 8,5% ao ano, e 7 anos para pagar”, disse.

José Luiz avaliou como fundamental o apoio do Governo Federal, por meio do Plano Safra, para garantir a produção no campo. “Hoje, na verdade, não tem como a gente fazer tudo no recurso próprio. Os custos estão muito caros pra gente fazer plantio. Então, se você não tiver um amparo do banco, se não tiver um apoio do banco, fica difícil”. E completou. “Este apoio está sendo muito bom”.

Plano Safra 2019-2020

O Plano Safra 2019-2020 entrou em vigor em 1˚ de julho deste ano e segue até 30 de junho de 2020. Estão previstos R$ 225,59 bilhões, sendo R$ 169,33 bilhões para crédito rural (custeio, comercialização e industrialização) e R$ 53,41 bilhões para investimentos.

As taxas de juros para custeio, comercialização e industrialização variam de 3% a 4,6% ao ano para os pequenos produtores, atendidos pelo Programa Nacional de Fortalecimento Agricultura Familiar (Pronaf); 6% por ano para médios produtores, incluídos no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp); e 8% para os demais produtores.

Fonte: Governo Brasil

Mais acessadas