2 de agosto de 2019

Com apenas R$ 35 já se pode aplicar no Tesouro Direto

Ana Paula Grosner é servidora pública. Ela investe no Tesouro Direto há quatro anos. Faz aplicações mensais e só pretende sacar em 2035. Para ela, o Tesouro é o melhor investimento de renda fixa. “O meu banco não tem taxa pra aplicar no Tesouro Direto e a minha estratégia é a longo prazo como uma complementação para aposentadoria. Minha expectativa é de que renda o dobro do que eu aplico”, conta.

Investimento no Tesouro Direto é complementação para aposentadoria, diz Ana Paula Grosner Foto: Agência Brasil
O Tesouro Direto é uma oportunidade para realizar um planejamento financeiro sem complicação. Com apenas R$ 35 já se pode fazer uma aplicação em títulos públicos federais por meio da internet. Apesar de os planos de Ana Paula serem para muitos anos, uma das vantagens é que, com variação do rendimento, o investidor pode resgatar o investimento a qualquer hora. “É a porta de entrada no mundo dos investimentos porque é seguro, simples e o investimento inicial é bem baixo. Foi criado para que o pequeno investidor tivesse acesso”, explica o gerente do Tesouro Direto, Diego Link.

O Tesouro Direto oferece boa rentabilidade e liquidez diária e é a aplicação de menor risco do mercado. Como a servidora, muitos brasileiros têm escolhido o Tesouro Direto para aplicar o dinheiro. Nos primeiros seis meses do ano, registrou 286 mil novos investidores ativos e 1,2 milhão de novos investidores cadastrados. O total de investidores ativos alcançou 1 milhão de pessoas e o número de investidores cadastrados passou de 4,3 milhões. 

No último mês de junho, foram realizadas mais de 476 mil operações de investimento, que somaram R$ 2,68 bilhões. Durante o mês, os resgates foram de R$ 1,68 bilhão.

O Tesouro Direto é um Programa do Tesouro Nacional criado em 2002 para venda de títulos públicos federais para pessoas físicas. Oferece diferentes tipos de rentabilidade: prefixada, ligada à variação da inflação (medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA) ou à variação da taxa de juros básica da economia (Selic). “Oferece tipos diferentes para praticamente todos os objetivos dos investidores”, destaca o gerente. 

“O investidor pode aplicar no momento que quiser, pode investir todo mês, todo dia ou como quiser, não tem nenhuma obrigatoriedade”, afirma Diego Link. Os prazos de vencimento e de fluxos de remuneração também variam. Com tantas opções, fica fácil achar um título indicado para a necessidade de cada pessoa. 

O que são títulos públicos?

Ao contrário dos investimentos em ações, nos quais a pessoa não sabe qual será o retorno, os títulos públicos têm renda fixa, ou seja, o rendimento pode ser dimensionado no momento do investimento. Por isso, é um investimento de menor risco. Ao investir no Tesouro Direto, a pessoa opta pelo tipo de investimento de menor risco da economia, pois os títulos públicos são 100% garantidos pelo Tesouro Nacional.

Ao comprar um título público, empresta-se dinheiro para o governo brasileiro em troca de receber no futuro uma remuneração por esse empréstimo. A pessoa recebe o que emprestou mais os juros. 

Com o Tesouro Direto, o investidor também ajuda o país a promover investimentos em saúde, educação ou infraestrutura, por exemplo.

6 passos para investir no Tesouro Direto

1- É preciso ter CPF e conta corrente em uma instituição financeira;

2- Escolha uma instituição financeira, que pode ser um banco ou corretora, para intermediar as transações. No próprio portal do Tesouro Direto, há uma lista com todas as instituições habilitadas e com as taxas de administração cobradas por elas;

3- Entre em contato com a instituição financeira escolhida e peça o cadastramento. É preciso abrir uma conta para operar com o Tesouro Direto;

4- A pessoa receberá uma senha provisória da BM&FBovespa para o primeiro acesso à área restrita do Tesouro Direto, onde são realizadas as operações de compra e venda e consultas a saldos e extratos;

5- Troque a senha provisória por uma nova com 8 a 16 dígitos, letras, números e caracteres especiais. Tudo pronto! O investidor já está habilitado para investir;

6- Encontre qual título é mais adequado para o objetivo financeiro que quer alcançar. Para a escolha, utilize a ferramenta Orientador Financeiro, encontrada, tanto no portal do Tesouro Direto, quanto na área restrita ao investidor. Definido o título adequado, basta efetuar a compra.

Todas as informações sobre modalidades de aplicação, horário de funcionamento, canais de aplicação e prazos podem ser conferidos no portal do Tesouro Nacional (http://www.tesouro.gov.br/web/stn/-/passo-a-passo).

Fonte: Governo do Brasil

Mais acessadas